Qual a importância do brincar durante o processo de ensino-aprendizagem

Pensar no processo de ensino-aprendizagem de crianças pode parecer um desafio, mas quando os educadores usam métodos que as crianças tenham familiaridade, esse desempenho se descomplica. Por isso, a importância do brincar durante o processo de ensino-aprendizagem nunca foi tão discutida. Utilizar brincadeiras como um método de auxílio em sala de aula pode trazer a proximidade das crianças com o saber.

Brincadeiras já são um interesse intrínseco em crianças e aliar ao processo de ensino-aprendizagem torna o desenvolvimento agradável. O “brincar” já é uma linguagem que crianças entendem e têm facilidade, é por meio dessa atividade que elas criam laços, interagem com o mundo ao seu redor, criam sentimento de pertencimento, além de auxiliar em seu desenvolvimento social, criativo, afetivo, habilidades cognitivas, motoras e memorização. Segundo Kishimoto, é brincando que a criança aprende a socializar-se com as outras, desenvolve a motricidade, a mente e a criatividade.

Com diferentes brincadeiras, as crianças experienciam novas maneiras de ver o mundo, solucionar problemas, usam a imaginação, colocam em prática o que aprendem, interagem com outras pessoas, expressam seus sentimentos, o que ajuda em sua inteligência emocional. Brincar vai além de ser uma atividade de lazer para as crianças, explorar brincadeiras e jogos durante o processo de ensino-aprendizagem pode trazer benefícios.

A importância do brincar estende-se para toda a vida das crianças, é por meio deste que elas têm um de seus primeiros contatos com o mundo e suas particularidades, é uma das fases mais importantes. O processo de ensino-aprendizagem com jogos e brincadeiras eleva o interesse das crianças em aprender. 

Segundo Pires em seu livro “Brinquedoteca: O lúdico em diferentes contextos” (1997), o brincar para a criança não é uma questão apenas de pura diversão, mas também de educação, socialização, construção e pleno desenvolvimento de suas potencialidades e habilidades futuras.

Na infância, as crianças têm mais facilidade em aprender na prática, então é importante introduzir em seu processo de ensino-aprendizagem jogos e brincadeiras, além de aprenderem brincando, associando o aprendizado a algo agradável e divertido.

O processo de ensino-aprendizagem por meio de jogos e brincadeiras facilita a fixação do conteúdo. Utilizar jogos da memória com imagens ou números beneficia na concentração e aumenta a bagagem das crianças, fazendo com que (re)conheçam as representações de objetos, formas e lugares, assim criam memórias e as guardam. 

É importante que a escola, os professores, pais e responsáveis saibam qual é a importância do brincar durante o processo de ensino-aprendizagem das crianças, para que contribuam com esse processo. Os professores podem incluir em suas aulas alguns jogos e brincadeiras para auxiliar nos materiais didáticos, para fixarem na prática e transformar o aprendizado.

Em disciplinas como matemática, que muitas vezes pode ser complexa, utilizar jogos e materiais de apoio para ensinar a tabuada, por exemplo, como o “material dourado”, ajuda no processo de ensino-aprendizagem das crianças e faz com que esse aprendizado se torne concreto. Dessa maneira, os alunos terão a noção do que são os números e como contá-los, compor e decompor números, o que é uma dezena, de forma lúdica.

Atividades lúdicas, jogos e brincadeiras proporcionam significado e sentido ao que as crianças estão aprendendo, e o que tem sentido para elas é entendido com mais facilidade e guardado na memória. Ao ensinar formas geométricas, é mais atrativo para crianças quando elas conseguem ter a experiência concreta, como já mencionado, ao invés de apenas um registro em imagem, seja na lousa ou em algum livro. Com o auxílio de um cubo didático, elas terão a noção das formas e seus espaços. 

“Utilizar o jogo na educação infantil significa transportar para o campo do ensino aprendizagem condições para maximizar a construção do conhecimento, introduzindo as propriedades do lúdico, do prazer, da capacidade de iniciação e ação ativa e motivadora” (Kishimoto, 2008).

Para as crianças, brincar durante o processo de ensino-aprendizagem pode levá-las a explorar diversas situações e maneiras de se resolver problemas, pois com a ludicidade, elas adaptam em seu mundo o que veem representado no seu dia a dia em casa com seus pais e responsáveis e/ou na escola com seus professores.

O papel dos professores em sala de aula ao incentivar o brincar durante o processo de ensino-aprendizagem às crianças é, além de tudo, ajudar no desenvolvimento de ideias, questionamentos, estimular a curiosidade e a imaginação.  

Investir em um planejamento pedagógico em que estão incluídas brincadeiras e jogos é de extrema importância para o desenvolvimento e o processo de ensino-aprendizagem das crianças. O brincar não pode ser encarado somente como um ato de lazer, mas também como parte do desenvolvimento das habilidades e conhecimentos das crianças, fazendo assim uma maneira mais leve de levar o conhecimento e aprendizado e dessa forma as crianças se sentirão motivadas a continuar o processo de aprendizagem.

Alguns exemplos de jogos para a construção do processo de ensino-aprendizagem e desenvolvimento das crianças são: 

  • Os de criação, como o Lego: com as peças, é possível construir, criar e recriar além de desenvolver a criatividade e a habilidade motora; 
  • Jogos de tabuleiro: ajudam no raciocínio lógico e concentração; 
  • Dança e mímicas: são ótimas para a expressão corporal; 
  • Jogos da memória e quebra-cabeça: ajudam na memória visual e na atenção; 
  • Jogos de conhecimentos gerais: neles, encontram-se conhecimentos das disciplinas de uma maneira descontraída; 
  • O Tangram: famoso por ensinar as figuras geométricas, o jogo auxilia no desenvolvimento da coordenação motora, concentração, imaginação, criatividade e a memorização das formas geométricas de uma maneira descontraída.

Esses jogos estimulam e desenvolvem diversas habilidades em crianças, é importante que sejam incluídos de alguma maneira no cronograma das aulas e estratégias pedagógicas. Além disso, brincadeiras e jogos no processo de ensino-aprendizagem despertam diversos sentimentos, vontades, inspirações e talentos às crianças. 

Há diversos jogos que simulam profissões, o que é ótimo para aguçar a curiosidade das crianças, fazendo com que despertem o interesse delas em certas atividades, e aspirem alguma profissão no futuro e se dediquem a ela, pois dessa maneira, o contato com as profissões se torna leve e facilita a identificação das crianças com diversas funções. 

O brincar, para crianças, é um dos momentos mais divertidos do seu dia e, para elas, brincadeira é algo sério, então atrelar ao processo de ensino-aprendizagem será favorável, pois haverá comprometimento e dedicação por parte das crianças. 

Estudar sempre foi visto como algo cansativo e desgastante, até mesmo jovens e adultos têm uma certa resistência quando se trata de estudar e, para as crianças, manter o foco e a concentração nessas horas, quando tudo ao seu redor parece mais interessante e atrativo do que ficar sentado em uma cadeira com um lápis na mão realizando exercícios, muitas vezes é difícil. Por isso, desde o ensino infantil, é importante que o incentivo e estímulo ao aprendizado seja relacionado a uma prática prazerosa, assim em todas as fases da vida o processo de ensino-aprendizagem será realizado sem resistência, pois a relação com os estudos será saudável. 

Nessa missão de transformar o processo de ensino-aprendizagem, professores, pais e responsáveis são os principais motivadores. Para fazer com que as crianças tenham experiências agradáveis com os estudos, o brincar nesse processo é de extrema importância, assim amplifica-se o aprendizado das crianças.

Sabemos que muitas vezes é difícil incluir essas práticas no planejamento pedagógico, porém, também sabemos quais são os benefícios que podem ser adquiridos se juntar o brincar durante o processo de ensino-aprendizagem. Por isso, é importante manter ou incluir essa prática em casa e nas escolas, com planejamentos e estratégias pedagógicas, assim as crianças aprendem com facilidade e adquirem um bom relacionamento com o processo de ensino-aprendizagem. 

 

Referências:

educador.brasilescola.uol.com.br

institutoneurosaber.com.br

KISHIMOTO, Tizuko. O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengagelearning, 2008.  

KISHIMOTO, T. (org). Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 3º Ed. São Paulo: Cortez, 1999

meuartigo.brasilescola.uol.com.br

multivix.edu.br

monografias.brasilescola.uol.com.br

noticias.externatochampagnat.pt

www.plannetaeducacao.com.br

SANTOS, Santa Marli Pires dos (org.) 4 ed. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: vozes, 1997